Como armazenar seus Bitcoins: Conheça carteiras 'quentes' e 'frias' e saiba escolher o que é melhor para você

Depois de mais um salto no preço das principais criptomoedas no final de 2020, os entusiastas da criptoativos começaram a minerar, vender e comprar moedas com vigor renovado - o que significa que hoje em dia o tema da custódia de criptomoedas é mais relevante do que nunca.

Mas, ao contrário das ondas de alta do passado, desta vez muitos usuários também estão preocupados em como proteger seus ativos.

A indústria de blockchain está se desenvolvendo e os comerciantes se tornaram visivelmente mais espertos, mas os golpistas e ladrões também se tornaram muito mais ágeis. Isso também é indicado pelo surgimento de notícias no período relacionadas a hackers e roubos de criptoativos, não apenas sobre usuários comuns, mas também grandes exchanges, projetos financeiros descentralizados e até tokens não fungíveis .

Os fraudadores usam uma variedade de ferramentas, desde hackear contas até criar malware. Mesmo projetos bem conhecidos não evitam esse destino. Por exemplo, Trezor detectou recentemente aplicativos falsos no Google Play , o que afetou alguns usuários. E no final de dezembro de 2020, mais de 270.000 clientes da popular carteira Ledger enfrentaram ameaças depois que seus dados pessoais foram expostos por um hacker .

Tudo isso sugere que os entusiastas de criptomoedas devem ser extremamente cuidadosos ao escolher como armazenar seus ativos.

A compra de criptomoedas se torna popular

Em 2021, o Bitcoin ( BTC ) se estabeleceu firmemente como um instrumento de investimento e reserva de valor comumente aceito, e agora está sendo comparado ao ouro. Isso se tornou especialmente perceptível quando os investidores institucionais começaram a explorar e investir centenas de milhões de dólares - às vezes bilhões - no BTC.

Da empresa Square de Jack Dorsey, gastando recentemente mais US $ 170 milhões para comprar BTC para a M31 Capital, arquivando documentos com a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos para lançar um novo fundo de hedge de Bitcoin , as criptomoedas estão se tornando popular.

Além disso, o fundo Bitcoin da Grayscale Investment agora administra mais de US $ 37 bilhões em BTC, o que sugere que os investidores institucionais se sintam confiantes no instrumento. Todos esses exemplos funcionam para consolidar os criptoativos como uma opção de investimento viável para investidores de varejo também.

Além disso, além de simplesmente comprar criptomoedas, novas maneiras de ganhar dinheiro surgiram no mercado, como protocolos de finanças descentralizadas que oferecem vários serviços financeiros baseados em blockchain. Na verdade, essa é uma boa maneira de obter uma renda fixa em criptomoedas com taxas de juros anuais bastante altas.

O aumento das exchanges descentralizadas simplificou ainda mais o processo de propriedade e troca de criptomoedas. Recentemente, esse método de negociação de criptomoedas tem ganhado popularidade rapidamente.

Essas plataformas, como o Uniswap, permitem que os usuários realizem transações diretamente entre carteiras. Esse método implica que os usuários precisam saber como armazenar as criptomoedas de maneira adequada e fazer transações por meio de terceiros.

Como alternativa, os usuários também têm exchanges centralizadas à sua disposição; no entanto, existem certos riscos relacionados ao armazenamento de fundos. Para exchanges centralizadas, isso significa que a criptografia nas contas da plataforma fica automaticamente sob a custódia da empresa, o que significa que os usuários não têm controle total sobre seus ativos. Portanto, é aconselhado pela maioria dos comentaristas de criptomoedas armazenar seus criptoativos em carteiras externas.

Exemplos de carteiras ativas em 2021

Cada usuário deve se lembrar de algumas regras elementares de segurança não relacionadas às próprias criptomoedas ou ao equipamento usado. O mais importante é que os usuários precisam se lembrar de suas senhas. Parece óbvio, mas os usuários regularmente perdem grandes quantias de dinheiro simplesmente porque esquecem as senhas.

Blockchains não têm uma função de redefinição de senha e não há serviço de suporte para solicitar. Além disso, é um erro esquecer uma frase-semente de 12 palavras da carteira ou anotá-la em um meio que se perde facilmente. A receita mais eficaz para proteger ativos criptográficos é ser responsável por armazenar senhas e criar uma frase secreta para a chave.

No caso de carteiras online, é um pouco mais fácil e os efeitos da perda de uma senha podem ser evitados porque as chaves são mantidas por terceiros de confiança. O dono da carteira não controla as chaves, basta fazer o login com um nome de usuário e senha.

Assim, se a senha for perdida, eles podem entrar em contato com os serviços de suporte, confirmar sua identidade e redefinir a senha. Porém, do ponto de vista da descentralização, essa não é a opção perfeita, pois o usuário delega o controle de suas chaves a um terceiro.

Cabe ao usuário decidir o que é mais importante para ele e se ele realmente confia na empresa que hospeda o gateway para seus acervos de criptomoedas. Além disso, qualquer usuário deve ser responsável por seu próprio capital, pois nenhuma crypto wallet ou blockchain é responsável por esquecimento ou desatenção.

Existem vários tipos de carteiras proeminentes por aí.

Carteiras de hardware

As carteiras de hardware representam uma forma mais sofisticada de ter uma carteira, armazenando moedas em dispositivos off-line externos. Algumas das soluções mais populares são Trezor, Ledger Nano X e KeepKey. Essas carteiras geralmente vêm na forma de pequenas unidades flash e podem suportar milhares de criptomoedas.

Por exemplo, a Trezor oferece dois tipos de carteiras, Trezor One e Trezor Model T, que podem ser adquiridas por $ 60 e $ 193, respectivamente. A carteira Trezor One tem dois botões de controle, e o Trezor Model T recentemente desenvolvido tem uma tela com touch.

O dispositivo é conectado ao PC do usuário por meio de um cabo. A segurança é garantida por meio do dispositivo, que armazena a chave secreta e assina as transações off-line dentro do próprio dispositivo.

Se houver vírus no PC do usuário, isso não significa que ele tenha acesso à carteira. Naturalmente, para evitar perder dinheiro e ser enganado, os usuários devem comprar essas carteiras apenas através dos sites oficiais e certificar-se de que o dispositivo seja embalado conforme declarado pelo fabricante.

O processo de conexão de uma carteira é bastante simples: os usuários precisam ir ao site oficial, baixar um aplicativo e configurar uma nova carteira. O principal requisito é escrever e salvar uma frase mnemônica de 24 palavras, em seguida, criar e confirmar uma senha.

Carteiras locais

Carteiras locais são o tipo mais popular porque podem ser baixadas ou instaladas em dispositivos. Os usuários podem inserir essas carteiras apenas no dispositivo em que estão instaladas.

Ao usar uma carteira local, o proprietário tem controle total sobre seus ativos, pois as chaves privadas são armazenadas localmente no dispositivo sem que terceiros tenham acesso a essas informações.

Hoje, algumas das carteiras locais mais populares são Jaxx, Exodus e Edge, que são exemplos de carteiras multimoedas gratuitas que suportam uma lista enorme de criptomoedas.

Além da versão desktop, essas carteiras tendem a ter também uma versão móvel. A maioria dessas plataformas foi integrada com formatos como o ShapeShift e o Changelly, onde a conversão de criptomoeda é realizada diretamente no aplicativo, sem passar para uma exchange de criptomoeda.

As chaves privadas são armazenadas exclusivamente no dispositivo do proprietário e a proteção é fornecida por meio de um código PIN, com a opção de copiar chaves privadas para armazenamento offline.

Carteiras da web

As carteiras da Web funcionam com armazenamento em nuvem e os usuários podem acessá-las de qualquer dispositivo. Essas carteiras são apenas aplicativos em telefones celulares ou podem ser acessadas por meio de sites, o que é muito conveniente.

Por exemplo, Matbea, Coinbase e BitGo são carteiras e exchanges em um só serviço. Matbea oferece suporte a apenas sete criptomoedas principais, o que não é uma faixa ampla para os padrões atuais, mas em termos de segurança, esta carteira tem uma vantagem inicial.

A maioria desses serviços faz uso de autenticação de dois fatores: um código enviado por SMS ou e-mail e uma senha separada. Mesmo que um vírus tenha se instalado no PC do usuário, de forma alguma ele será capaz de ler o código de seu dispositivo móvel para obter acesso à carteira.

E se um vírus se instalar em um smartphone, ele não conseguirá ler a senha ou o código do e-mail. O backup dos arquivos é feito regularmente, portanto, mesmo em caso de acidente ou falha do disco rígido, a moeda do usuário será restaurada imediatamente.

Carteiras de papel

Por último, as carteiras de papel são bastante usadas, mas devido ao fato de as suas chaves públicas e privadas serem impressas em papel, não são utilizadas com muita frequência. Mas essas carteiras parecem ser a maneira mais interessante de usar criptomoedas.

Na verdade, uma carteira de papel é apenas uma folha de papel com um código QR impresso que contém um endereço criptografado para armazenar fundos de criptomoeda. Os códigos QR precisam primeiro ser escaneados para realizar transações de criptomoeda.

Este método de armazenamento de criptomoedas é bastante seguro, pois a criptomoeda é totalmente protegida contra ataques de fraudadores. Junto com as carteiras de hardware, as carteiras de papel são frequentemente chamadas de “armazenamento frio”, pois são completamente isoladas da Internet e não podem ser hackeadas externamente.

Para criar uma carteira de criptomoeda de papel, os usuários precisam de um software especial como o Bitaddress.org, que possui um código-fonte aberto. O serviço cria uma carteira de armazenamento frio usando números gerados aleatoriamente diretamente no navegador. As chaves secretas permanecem com os usuários e não são salvas nos servidores do Bitaddress.org.

WalletGenerator também funciona como Bitaddress.org, com os usuários precisando mover o mouse para aumentar a aleatoriedade da geração da chave. Os desenvolvedores também recomendam desligar a Internet e executar o gerador a partir de um arquivo HTML local depois de baixar o arquivo do GitHub.

Soluções híbridas

Existem carteiras que combinam vários métodos que foram mencionados acima. Por exemplo, a Casa, desenvolvida em meados de 2020, combina as funções de uma carteira local e móvel, com os desenvolvedores definindo a segurança como o principal objetivo final .

Ao criar uma carteira, o usuário não precisa inserir e salvar uma frase-semente ou dados pessoais, apenas e-mail e nome. Além disso, a carteira não rastreia a localização ou os dados transmitidos e não possui ferramentas de análise de terceiros.

O usuário é solicitado a criar uma chave que será armazenada no dispositivo, e os backups serão divididos entre o armazenamento da própria Casa e o armazenamento em nuvem do Google ou Apple. Apenas o usuário tem acesso à chave, o que requer autenticação de dois fatores.

Outra carteira que oferece uma experiência combinada é a Savl, uma carteira móvel para Android e iOS que reúne uma plataforma ponto a ponto, carteira de criptomoedas, serviço de mensagens e serviço de pagamento de criptomoeda. A carteira está a funcionar desde 2020 e, tal como no caso da Casa, os promotores afirmam que foi dada especial atenção à segurança e privacidade.

Ao registrar um usuário, o aplicativo gera uma string única de 12 palavras que é armazenada no dispositivo do usuário. Ninguém, exceto o usuário, tem acesso a ele, nem mesmo os desenvolvedores. O acesso ao aplicativo é protegido por um código PIN de seis dígitos definido pelo usuário.

Uma carteira pode ser totalmente segura?

Todas as carteiras são seguras à sua maneira, se alguém as escolher com cuidado e entender por que são necessárias. A carteira a ser escolhida depende da pessoa específica, mas o principal aqui é a segurança e a capacidade de armazenar chaves privadas ou frases-semente.

Se um usuário precisar armazenar uma grande quantidade de criptomoedas, é melhor comprar uma carteira de hardware.

Para aqueles que negociam constantemente em exchanges, os usuários podem armazenar fundos em carteiras criadas nessas exchanges para fazer transações rapidamente e não ter que pagar uma taxa de transferência.

No entanto, se a empresa for hackeada e não houver um fundo de seguro em vigor, as criptomoedas podem ser perdidas. Para o uso diário, as carteiras da web são bastante adequadas. A popularidade desse tipo de carteira se deve à capacidade de vender várias criptomoedas com rapidez e facilidade e fazer transferências diretamente para uma exchange.

No geral, as criptomoedas foram criadas com base na descentralização, o que significa que cada usuário controla seus próprios fundos em vez de uma entidade centralizada. Portanto, não importa o método de armazenamento escolhido pelo usuário, ele deve assumir a responsabilidade por seus fundos.

Categoria:Econômia

Deixe seu Comentário